Tribo do C.I.

Só mais um blog de informática (só que não)

DOM: id dos elementos são variáveis globais

março 31st, 2014

Vi no twitter e no facebook, algumas pessoas falando que para mostrar um elemento do HTML no Console do Groogle Chrome, você precisa apenas escrever o ID desse elemento. O @johnjbarton esclareceu que isso acontece porque todos os IDs dos elementos SÃO variáveis globais no javascript. Veja mais detalhes abaixo:

O Padrão:

O HTML5 especifica que o objeto window pode ter uma chave de propriedade na qual o valor dela é um elemento html se:

  • Existe exatamento 1 elemento DOM em que a propriedade ‘id’ tem o valor da chave
  • Existe exatamente 1 elemento DOM que a propriedade ‘name’ tem o valor da chave. O elemento deve ser um tipo: a, applet, area, embed, form, frame, frameset, iframe, img, object.

Exemplo, no site da Tribo do CI  você pode abrir o console do chrome e digitar: window[‘branding’] ou simplesmente branding. Aparecerá a tag header com id=’branding’. Se existe mais de uma tag encontrada, regras diferentes são aplicadas. Com isto em mente, veja outro exemplo abaixo:

<div id=”foo”></div>

O elemento acima pode ser acessado via window.foo ou, como todas as propriedades de window, apenas foo. Por exemplo, no console do Chrome, você pode fazer:

> "foo" in window
    true
> foo
    <div id=?"foo">?</div>?

Firefox

No firefox funciona um pouco diferente

> "foo" in window
    false
> typeof foo  // Essa variável existe?
    object
    Element referenced by ID/NAME in the global scope.
    Use W3C standard document.getElementById() instead.

> foo
    [object HTMLDivElement]
    Element referenced by ID/NAME in the global scope.
    Use W3C standard document.getElementById() instead.

> "foo" in window
    true

O que aconteceu? inicialmente não existe a propriedade window.foo. Mas após a primeira chamada, seja diretamente ou pela variável global, a propriedade é criada.

Conclusão

Existe uma padronização do HTML5 na qual os ID’s dos elementos se tornam propriedades de window, por isso que essa facilidade é uma novidade para nós. Cabe agora, aos maníacos de boas práticas, nos dizer qual seria a maneira mais correta de utilizar essa feature.

Esse post é uma versão brasileira de 2ality – DOM: elemtn IDs are global variables.
Cheap buy levitra online cheap candian levitra celebrex buy cheap brand viagra
Best Prices For All Customers! Cheap Prednisone 20mg . Fastest Shipping, buy prednisone Australia.
4 days ago – Estrace -cream 15gm – Low prices and discounts buy estrace -cream Online – Click Here Find store pill estrace -cream in canada online fedex

Campus Party – Segunda Feira

janeiro 18th, 2011

Segunda Feira (17) foi o primeiro dia da Campus Party. Não teve muita coisa em termos de palestra. Mas já a partir das 12h a internet de 10 Gbps foi ligada e começaram-se toda  a movimentação. A animação é geral e os Gritos (Uoooou) animam e integram a galera.

Eu (Sheldon Led) já até falei sobre como seria minha viagem (No meu Blog Pessoal – Viagem estilo Hobbit rumo à São Paulo), onde disse que sairia de Goiânia até Uberlândia, econtraria com a Caravana, e de lá partiria para São Paulo! Houveram várias complicações, e quando chegamos na #Cpbr4 já eram cerca de 11h, para quem saiu de Goiânia as 14h do dia anterior, é muito tempo, quase 24h de viagem. Chegando aqui esperamos cerca de 7 horas na fila, para conseguir entrar, pegar a credencial, pegar a mochila, pegar outros brindes, achar a barraca, acomodar-se e então curtir o evento.

A noite foi legal, teve a Contagem Regressiva para o verdadeiro início da Campus Party. E logo em seguida teve show dos Semi Novos, cujo trecho você pode ver abaixo:

Logo após o término do show a galera esfriou um pouco, pois TODO MUNDO CANSOU com as horas e horas de filas e espera na porta da cpbr, e a maioria foi dormir. Esse evento está só começando, e promete bastante!!!

Entre os destaques dessa edição, está a participação do ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore, que falará amanhã (18), às 13h, sobre a abrangência acadêmica e comercial da internet. No mesmo painel, também estará Tim-Berners Lee, considerado o pai e criador da WorldWideWeb, ao idealizar um projeto global que permitisse que pessoas trabalhassem em conjunto. Além deles, o diretor gerente da Wikimedia Foundation, Kul Wadhwa, também estará na Campus Party, assim como o co-fundador da Apple, Steve Wozniak, que fechará o evento no sábado (22) às 19h.

Linguagens formais e Autômatos – 3

dezembro 1st, 2010

Para ver a segunda parte clique aqui

Expressões regulares – Toda Linguagem Regular pode ser descrita por uma expressão simples denominada Expressão Regular. Trata-se de um formalismo denotacional também considerado gerador, pois pode-se inferir como construir (“gerar”) as palavras de uma linguagem. É uma maneira de representar uma linguagem formada pela justaposição dos símbolos do alfabeto separados pelos símbolos de união ou concatenação.

Linguagem – Conjunto de palavras

L1 = {0,01,11} ou L2 = {111,000}

Operações

L1UL2 = {0,01,11,111,000}

L1L2 = {0111,0000,0011,…}

L1*={0000,010101,…)

Linguagens Regulares – São aquelas que podem ser representadas por expressão regular ou autômatos.

Exemplos:

  • L=Cadeias que possuem apenas um 0 E={0,1}
    • 1*01*
  • L=Cadeias que possuem todas as strings binárias E={0,1}
    • (0U1)*
  • L=Cadeias que possuem todas as strings binárias exceto o vazio E={0,1}
    • (oU1)+
  • L=Cadeias que começam com aa e terminam com bb E={a,b}
    • aa(aUb)*bb
  • L=Cadeias que começam ou terminam com bb E={a,b}
    • bb(aUb)*U(aUb)*bb

Por definição, uma linguagem é Regular se, e somente se, é possivel construir um Autômato Finito (Determinístico, Não-Determinístico ou com Movimentos Vazios), que reconheça a linguagem.

Transformação de Autômato/ER

  1. Incluir dois estados ( um inicial, que aponta para o inicial antigo por E(movimento vazio), e um estado final, todos os finais antigos do autômato deixam de ser finais e apontam por E para o novo).
  2. Avaliar dois a dois os estados na tentativa de eliminar um terceiro.


Hierarquia de Chomsky

É a classificação de gramáticas formais descrita em 1959 pelo linguista Noam Chomsky. Esta classificação possui 4 níveis (Descritos na figura ao lado), sendo que os dois últimos níveis (os níveis 2 e 3) são amplamente utilizados na descrição de linguagem de programação e na implementação de interpretadores e compiladores. Mais especificamente, o nível 2 é utilizado em análise sintática (computação) e o nível 3 em análise léxica.

A classificação das gramáticas começa pelo tipo 0, com maior nível de liberdade em suas regras, e aumentam as restrições até o tipo 3. Cada nível é um super conjunto do próximo. Logo, uma gramática de tipo n é conseqüentemente uma linguagem de tipo n-1.

  • Linguagem tipo 3: Regular
    • Reconhecida por um autômato finito
    • Representada por uma expressão regular
  • Linguagem tipo 2: Livre de contexto
    • Reconhecida por um autômato de pilha
  • Linguagem tipo 1: sensível ao contexto
  • Linguagem tipo 0: Irrestrita
    • Máquina de Turing

Lema do Bombeamento

Diz que se pegarmos uma cadeia de tamanho maior do que a quantidade de estados do autômato, existe um pedaço dessa cadeia que pode ser bombeada (repetida em um looping) de forma que a cadeia gerada ainda pertence a linguagem.

Isso significa que existe um looping dentro do autômato. O lema do Bombeamento serve para provar que uma linguagem “NÃO” é regular. A demonstração de que uma linguagem é regular é feita através da criação de um autômato ou expressão regular.

Não é regular

-Afirme que é regular

-Escolha uma que você ache que não é regular

-Bombear

-Provar que não é regular.

O que foi descrito neste artigo é somente o começo dos estudos das linguagens formais. Foi dividido em 3 partes, é possível acessar a segunda parte clicando aqui, e a primeira parte clicando aqui. O artigo foi baseado no livro: Linguagens Formais e Autômatos, Série Livros Didáticos Segunda edição, de Paulo Fernando Blauth Menezes, com alguns pedaços de texto retirados da Wikipedia.


Expressões Regulares e suas respectivas linguagens

Expressão Regular

Linguagem Representada

aa

Somente a palavra aa

ba*

Todas as palavras que iniciam por b, seguido por zero ou mais a

(a+b)*

Todas as palavras sobre {a,b}

(a+b)*aa(a+b)*

Todas as palavras contendo aa como subpalavra

a*ba*ba*

Todas as palavras contend exatamente dois b

(a+b)*(aa+bb)

Todas as palavras que terminam com aa ou bb

(a+E)(b+ba)*

Todas as palavras que não possuem dois a consecutivos.

Tribo do C.I.

Tribo do C.I.

Só mais um blog de informática (só que não)