Tribo do C.I.

Só mais um blog de informática (só que não)

Dica rápida: campo de senha

janeiro 15th, 2016

É muito legal e causa muita confusão aos leigos (bem leigos) preencher o campo de senha em um formulário. Eu já fui professor de idosos e eles sempre ficavam intrigados por digitarem e, na verdade, só aparecer bolinhas na tela. Com a popularização dos smartphones essa prática deve ser repensada.

Não significa que o campo de senha tem que ser abolido, pois ele impede que quem quer que esteja ao seu lado saiba sua senha. No smartphone o campo de senha não é prático por dois motivos básicos:

  • O usuário quase sempre erra o que digita no celular, e não tem como ele checar sua senha.
  • Não é tão seguro assim para o curioso ao seu lado, pois ao pressionar o teclado, a letra aparece na tela por uma fração de segundo antes de virar uma bolinha.

A solução mais simples e mais usada para isso é deixar o campo de senha como está, e incluir uma opção de mostrar a senha. Assim o usuário pode digitar a senha mais à vontade e depois dar uma conferida se digitou corretamente. Essa prática se tornou tão comum que a microsoft a adotou como padrão em todo campo de senha do Windows 8.

Em 2016 eu iniciei uma idéia maluca de criar o projeto #366DailyCode, que consiste em publicar 1 pedaço de código JavaScript por dia (geralmente um problema ou algoritmo conhecido). Isso é assunto para outro post, o fato é que eu tornei essa opção de mostrar a senha o código do dia 14/01/2016. Você pode checá-la em prática abaixo:

See the Pen #366DailyCode #Day14?—?Input type password by Sheldon Led (@sheldonled) on CodePen.

FULLSTACK API – Ou o que aprendi com o MEAN.

junho 11th, 2015

Muito se ouve falar de API’s, e termos como API First, ou Offline API. É um conceito muito bacana, do qual não vou entrar em detalhes aqui pois basta você pesquisar um pouco e achará centenas de artigos falando sobre isso, em Portuguêsem Inglês, ou qualquer outra língua. Não só porque tem muito material já disponível, mas porque esse material disponível já descreve muito bem sobre isso, então eu só quero detalhar um pouco do que eu aprendi, sabendo que talvez não acrescentará em nada, mas pode ajudar quem esteja começando, assim como eu.

Eu sou uma pessoa que estuda pouco, porém sobre muitas coisas, e só entro em mais detalhes quando preciso. Então muita gente me acha inteligente, mas sou apenas curioso, e foi assim que, há um tempo atrás eu precisei/quis aprender NodeJS e AngularJS. Foi quando eu descobri a STACK (conjunto de tecnologias para se desenvolver determinada solução) MEAN (MongoDB, ExpressJS, AngularJS e NodeJS).

Esse termo (MEAN) é muito conhecido, basta você “googlar” e verás. Mas o que está por trás dessa ideia, eu (e creio que todo mundo que estudou o MEAN) descobri rapidinho: trabalhar com API. Mas que diabos é trabalhar com API? Também não vou entrar em detalhes, mas basicamente, nesse contexto que estamos inseridos, ao trabalhar com API, você cria um conjunto de rotinas/funções/métodos padrão, e isso vai ser o núcleo (core) do seu sistema. A partir de então, você desenvolve um elo entre o usuário e o core do seu sistema, esse elo é chamado de Cliente. Se sua API está online (de novo, no contexto desse artigo, presumiremos que sim), então você pode fazer vários tipos de clientes para acessá-la, como, cliente web, para Android, iOS, para Windows, Linux etc.

api first

Esse negócio de se trabalhar com API começou com grandes softwares. Eu vi, pela primeira vez, em redes sociais, como Twitter e Facebook. Isso foi testado e aprovado por programadores, que foram passando essa experiência ao longo dos anos e hoje em dia é uma tendência altíssima trabalhar dessa forma. Sendo assim, vamos somente recapitular, alguns benefícios de se construir o seu software no formato API:

  • Multiplataforma: também pode ser entendido como generalismo. É muito mais fácil criar uma versão de seu software para uma outra plataforma, pois o core do seu software já está pronto, de forma genérica, basta criar o cliente na plataforma desejada, para conversar com ele.
  • Consistência: Existe um padrão, único, no seu software, e todos os objetos e a arquitetura do seu software já estão bem definidos.
  • Modularidade: É muito mais fácil dividir seu software em módulos, ou em níveis de acesso, e distribuir essa divisão entre os clientes, pois você praticamente alterará somente um lugar

Voltando ao MEAN, você acha facilmente artigos para aprender essas tecnologias, eu particularmente gosto desse artigo da Caelum. Mas se você parar para pensar, o que é o MEAN?

  1. Um banco de dados (MongoDB)
  2. Uma biblioteca para obtenção, tratamento, roteamento etc, das requisições dos clientes (ExpressJS)
  3. Uma biblioteca para se construir seu cliente, nesse caso, web (AngularJS)
  4. Um servidor web (NodeJS)

Então porque o MEAN ficou tão famoso? Pelo fato de que, ao se trabalhar com qualquer uma dessas tecnologias, você só precisa ter conhecimento JavaScript, pois tudo o que mencionei é baseado nessa linguagem. Mas para trabalhar com API, não necessariamente você precisa pegar uma STACK pronta, você pode adaptar o que você já está acostumado à ideia de API.

Pensando nisso, eu peguei as tecnologias mais comuns (LAMP – Linux, Apache, MySQL e PHP) e adaptei à ideia de API. Transcrevendo a ideia do MEAN, o Apache preenche o item 4, o PHP preenche o item 2, o MySQL preenche o item 1 e o item 3 pode ser preenchido por qualquer biblioteca cliente que você quiser, inclusive o próprio AngularJS. Então meu MEAN virou um MPAA (MySQLPHPAngularJS, Apache).

Nessa ideia, eu criei uma webapp que faz a mesma coisa que o exemplo do artigo da Caelum, e disponibilizei para qualquer um poder estudar e aprimorar a ideia. Segue os links:

  1. Exemplo de aplicativo usando MEAN;
  2. Exemplo de aplicativo usando MPAA;

Espero que esses links possam ajudá-lo nos seus estudos.

 
zoloft kids. zoloft 25 mg to 50 mg . buy zoloft online no prescription. cheap zoloft. is paxil or zoloft better for anxiety. zoloft 25 mg. 25 mg zoloft during pregnancy.
Best Prices For All Customers! Prednisone Cost Cvs. Instant Shipping, buy prednisone.
by: Chaille Jolink On a buy prednisone online very busy day at the capitol on Tuesday, over 400 advocates for buy prednisone online women met with their 

order cialis – Online Cialis Usually, they quickly pass and are not dangerous for male health. However this may break a constant process of the vital functions.The …
clomid ebola clomid without prescription
buy estrace online, Is There A Generic Estradiol Cream, Estrace Generic La version integrale d’une heure est disponible sur demande aupres de la 

DOM: id dos elementos são variáveis globais

março 31st, 2014

Vi no twitter e no facebook, algumas pessoas falando que para mostrar um elemento do HTML no Console do Groogle Chrome, você precisa apenas escrever o ID desse elemento. O @johnjbarton esclareceu que isso acontece porque todos os IDs dos elementos SÃO variáveis globais no javascript. Veja mais detalhes abaixo:

O Padrão:

O HTML5 especifica que o objeto window pode ter uma chave de propriedade na qual o valor dela é um elemento html se:

  • Existe exatamento 1 elemento DOM em que a propriedade ‘id’ tem o valor da chave
  • Existe exatamente 1 elemento DOM que a propriedade ‘name’ tem o valor da chave. O elemento deve ser um tipo: a, applet, area, embed, form, frame, frameset, iframe, img, object.

Exemplo, no site da Tribo do CI  você pode abrir o console do chrome e digitar: window[‘branding’] ou simplesmente branding. Aparecerá a tag header com id=’branding’. Se existe mais de uma tag encontrada, regras diferentes são aplicadas. Com isto em mente, veja outro exemplo abaixo:

<div id=”foo”></div>

O elemento acima pode ser acessado via window.foo ou, como todas as propriedades de window, apenas foo. Por exemplo, no console do Chrome, você pode fazer:

> "foo" in window
    true
> foo
    <div id=?"foo">?</div>?

Firefox

No firefox funciona um pouco diferente

> "foo" in window
    false
> typeof foo  // Essa variável existe?
    object
    Element referenced by ID/NAME in the global scope.
    Use W3C standard document.getElementById() instead.

> foo
    [object HTMLDivElement]
    Element referenced by ID/NAME in the global scope.
    Use W3C standard document.getElementById() instead.

> "foo" in window
    true

O que aconteceu? inicialmente não existe a propriedade window.foo. Mas após a primeira chamada, seja diretamente ou pela variável global, a propriedade é criada.

Conclusão

Existe uma padronização do HTML5 na qual os ID’s dos elementos se tornam propriedades de window, por isso que essa facilidade é uma novidade para nós. Cabe agora, aos maníacos de boas práticas, nos dizer qual seria a maneira mais correta de utilizar essa feature.

Esse post é uma versão brasileira de 2ality – DOM: elemtn IDs are global variables.
Cheap buy levitra online cheap candian levitra celebrex buy cheap brand viagra
Best Prices For All Customers! Cheap Prednisone 20mg . Fastest Shipping, buy prednisone Australia.
4 days ago – Estrace -cream 15gm – Low prices and discounts buy estrace -cream Online – Click Here Find store pill estrace -cream in canada online fedex

Tribo do C.I.

Tribo do C.I.

Só mais um blog de informática (só que não)